quinta-feira, 5 de abril de 2012

Controlando o Incontrolável


E as coisas saem de controle cada vez mais e em proporções maiores. Mesmo todos sabendo que até a bíblia, livro “sagrado” redigido por alguém com uma mente super fértil, diz que o livre arbítrio há de ser respeitado.
Não entendo porque existe essa preocupação em cuidar dos vícios das pessoas.
Pois bem, vamos lá: Coisas que nem todos explicam ou nem todos tem a paciência de querer entender. Tudo o que você compra, utiliza, sente necessidade, paga com seu dinheiro, rouba, é controlado pelo governo. Tudo. Até porque, a desgraça do seu salário ridículo também é controlado por ele. O preço do seu vício também sobe com a inflação, mas ninguém vai reclamar publicamente que o preço da cerveja dobrou de uns poucos anos pra cá, porque soa politicamente incorreto. Talvez fique até mais bonito e intelectual falar que você lembra que a latinha de coca-cola (açúcar negro de fórmula secreta que agrada até ursos polares) já custou 50 centavos.
Achei interessante o noticiário falando de uma celebridade que “venceu” uma doença terrível e agora é um novo homem. Imagina se a mesma matéria começasse com uma breve retrospectiva real da vida desse cara. “O ator, usuário de drogas e homossexual, se recupera bem da doença e recebe o carinho dos admiradores de seu trabalho” Seria o caos! Talvez o fim do mundo! Porque as pessoas ficam chocadas ao descobrir que os “inalcançáveis” astros de televisão, esporte e tantas outras áreas de influência são iguais aos seus vizinhos, filhos, primos, e amigos? Todos nós temos vícios. Uns mais graves outros menos, porém todos nós temos algum.
 O governo gasta milhões com campanhas contra o álcool, drogas, prostituição e etc. O problema é que o próprio governo financia tudo isso. No comercial de cerveja não pode aparecer ninguém bebendo a cerveja, mas podem aparecer várias gostosas com roupas curtas e saradões com suas caras felizes e falsas. Pra começar quem gosta mesmo de beber cerveja nunca vai ter uma barriga daquelas. E tem mais, o comercial só mostra a galera antes de beber, nunca na hora do porre, do vômito, do coma alcoólico e de todos os outros problemas que todos nós já sabemos de cor. Seria uma boa o governo fazer um acordo nessa hora. “Ok, pode fazer o comercial alegre e mentiroso, mas coloca alguém vomitado no final só pra gente economizar um pouco na nossa campanha contra o excesso de bebida”.
Quer mais uma farsa? Indústria farmacêutica! Essa é uma das minhas preferidas. O coitado do seu avô que vive com dores nas costas, toma 18 remédios, passa em 3 médicos diferentes e faz um exame novo todos os dias. Pra quê? Simplesmente para retardar um pouco sua morte, e para encher um pouco mais os bolsos da indústria com seu estado crítico, porque esses remedinhos não são baratos. O médico podia ser um pouco mais sincero e falar: “Olha senhor, se você fumar um cigarro de maconha por dia vai diminuir e muito suas dores e com certeza você terá dias mais tranqüilos” Mas o quê!?!? Um médico receitando maconha? Que absurdo! Isso nunca vai acontecer! É, não mesmo, não no Brasil, onde médicos ganham comissão ao receitarem medicação. Quase um patrocínio. Poderiam ser mais sinceros pelo menos. Você entra no consultório e o médico está vestindo um jaleco da Neosaldina, aí você já pensa: “Hum dancei! Vai me receitar esse comprimido do cacete pro meu problema no coração” ou então um jaleco do Lexotan, aí já melhora “Oba, esse é dos meus, vou tomar uns 3 e brisar a tarde inteira” ou seja, médicos patrocinados por uma empresa falsa e arrogante seriam mais fáceis de engolir, porque nossa memória é curta e nossa inteligência limitada e duvidosa.
Não quero criticar métodos de cura e de tratamento, pois não sou médico e nem quero ser, só quero criticar o descaso com os pobres pagadores de impostos.
Agora vão proibir os cigarros com sabor. Odeio cigarro, odeio nicotina. Fede, acaba com os dentes, é caro, e na escala dos porcos imundos que sujam a cidade, os fumantes são os primeiros, pois ao invés de enfiar as bitucas no rabo, jogam na primeira vala que encontram.... mas, foda-se! Se o cara quer fumar e gastar uns 10% (ou mais) do que ganha no mês comprando cigarro, deixa ele! Se ele quer pagar mais ainda, e ainda deixar um cheirinho de menta no ar com a fumaça cinza do capeta, deixa ele também! “Ah, mas esse cigarro destrói os dentes, acaba com o pulmão, é um chamariz para os jovens que aprendem a desenvolver o vício mais cedo”. Bom, quer dizer então que o cigarro com sabor está proibido porque disfarça o gosto da nicotina e faz com que os jovens se enganem e comecem a fumar precocemente? E a Sandy fazendo propaganda de cerveja é pra quê? Pra deixá-la mais rica e mostrar que a cerveja é tão ruim que até a Sandy bebe? NÃO! É para atrair os jovens também! E os senhores médicos, bombeiros, advogados, controladores de vôo que movimentam o tráfico cheirando “brizola” e dando “um dois” que fumam essas cigarrilhas saborosas só pra manter a brisa ficam como? Dançaram! Não vão fumar mais. Ou melhor, vão sim! Só que vão comprar de forma ilegal e pagar mais caro por isso!
São muitos assuntos e muitos problemas, paro por aqui e volto outro dia com mais indignações fresquinhas.

Leonardo Magri

Um comentário:

  1. boa Léo.
    eu concordo e levo as cordas!
    Avante as palavras mortas!

    ResponderExcluir